Navegando pelo mundo da Net, encontrei e trouxe para cá estes grandes achados.São pessoas talentosas que escreveram o que eu gostaria de ter escrito. Todos os textos estão com os devidos créditos. Meus parabéns a todos eles! Rejane

[s375x320.htm]

“Quem escreve constrói um castelo, e quem lê , passa a habitá-lo.”

quinta-feira, 15 de abril de 2010

Ninguém é sua imaginação


 Autor: Edson Carmo
 Do Blog : http://edsoncarmo-amor.blogspot.com/



Lembre-se: Quando você começa conviver com uma pessoa, você não está convivendo com a pessoa real, você está convivendo com a sua própria imaginação. Você não conhece tal pessoa, daí o motivo de você só puder ver nela a irrealidade.

O convívio de poucas horas: um passeio, uma noite num show, uma tarde na praia, um momento de diversão... não vão fazer com que você constate a realidade sobre ninguém. Ninguém é do jeito que aparenta ser. Quando encontramos uma pessoa, ela pode estar rindo – mas isso não quer dizer que ela seja feliz.

Mas, somos tendenciosos a acreditar mais na aparência, do que na realidade. E é assim que as pessoas estão dando as suas ações, a imagem que querem que acreditemos que elas são. Todavia isso é como bolha de sabão.

Portanto nunca conclua baseado num momento, espere mais tempo, a realidade há de se manifestar.

Edson Carmo




                        A identificação com a mente e a perda de sí mesmo.





Nos tempos primitivos, estava o homem em um corpo frágil, desprotegido; morando nas árvores, nas cavernas... Esse corpo era indefeso e não tinha como sobreviver nem mesmo ao veneno de uma pequena serpente – bem menos a força do ataque de um leão.

O homem estava com medo, não podia dormir sossegado, havia muitos predadores espreitando-o a noite. Mas o homem descobriu que tinha algo a mais que seus “inimigos.” O homem tinha a capacidade de pensar, raciocinar, projetar... Foi então que o homem desenvolveu a mente, e essa mente lhe trouxe as “soluções”: defesas e armas.

Agora o homem estava forte, protegido, superior... – soberano entre todos – daí a identificação com a mente. Então o homem disse: “eu não sou o corpo! Eu sou a mente!” E desde aí o homem tem vivido como se fosse ela.

Olhe para o fenômeno. Se você disser a alguém: “você é um doente do corpo”, muito provavelmente essa pessoa não vai se irar – e até vai procurar se tratar. Mas se você o disser: “Você é um doente mental”, muito provavelmente ele ou ela vai se irritar – irá lhe dizer: “louco é você!”

Ora, o corpo é visto como um servo, e ninguém quer ser um servo. Mas a mente é vista como o senhor, e todos querem ser senhor.

Assim nasceu a identificação com a mente. e também foi assim que o homem se perdeu de si mesmo.

Edson Carmo

2 comentários:

Edson Carmo disse...

Querida amiga Rejane,

Lindo o seu blog, a idéia, o template, os textos... Parabéns!

Eu ainda não conhecia esse seu blog, mas gostei muito!

Tens minha autorização para pegar quantos textos quiser.

Obrigado por seu apoio!

Um grande abraço do amigo,

Edson Carmo

Pepeu disse...

Texto maravilhoso!

Leia no arquivo.