Navegando pelo mundo da Net, encontrei e trouxe para cá estes grandes achados.São pessoas talentosas que escreveram o que eu gostaria de ter escrito. Todos os textos estão com os devidos créditos. Meus parabéns a todos eles! Rejane

[s375x320.htm]

“Quem escreve constrói um castelo, e quem lê , passa a habitá-lo.”

segunda-feira, 5 de julho de 2010

CORPO TRAÍDO


http://fantazy.agava.ru/anpain/images/pain.jpg




Por : Luiza Saito


Corpo traído, machucado pela tecnociência.
Mundo contemporâneo, mundo narcísico, do belo...
Marcas deixadas pela busca do ideal.
Esse ideal que vem cantando com toda sua euforia,
Na busca de encontrar um outro si mesmo – Em si mesmo.
Um si mesmo reconstruído, transplantado, estruturado em busca da perfeição.

O ‘eu’ não satisfeito com o seu próprio corpo; modela-o para uma imagem ideal.
O imaginário se ocupa da condição de existência,
Pois essa existência infinita, não pode estar associada a um simples corpo mortal.
Corpo mortal?
Que corpo é esse que envelhece?
Que corpo é esse que mata a existência infinita?

Esse simples corpo do mundo extremo contemporâneo,
Onde o homem – corpóreo narcísico – busca a imortalidade.
Essa condição – mortal. O homem não deseja aceitar.
Então esse corpo é transformado, modelado, arrancado da sua verdade como corpo.
E tudo se faz pela tecnociência, por um corpo mais perfeito esteticamente.
Com todo esse aparato que o mundo do extremo contemporâneo apresenta.
Tentando esconder as futuras imperfeições de um corpo vivido – Envelhecido.

Aproximação da morte. Homem mortal?
A humanidade narcísica tenta apresentar a fantasia da possibilidade de vencer a morte.
O homem desejando uma aproximação com a máquina –
Incorporá-la ou ser incorporado?
Criar uma possível máquina – e imaginarmos mortais – Ilusão.
E, assim, fugirmos do contato – Corpo-Corpo, o Ser com o Ser.
Mas, isso nos faz lembrar a condição de um simples mortal.

A relação do homem com o mundo, desde os tempos pré-históricos,
Sempre foi uma relação pelo corpo.
Todo o sentir passa pelo corpo, pelo contato, pela aproximação...
Essa condição faz inundar o corpo de sensações prazerosas,
Faz fluir a energia de vida, de calor...
E tudo acontece como um banho de carga elétrica em todo o Ser – Corpo-alma.

Para que essa carga energética flua, se faz necessário o contato. 
Corpo-Corpo – Sensações-Sensações envolvidos numa união amorosa,
Transbordam em vibrações para uma vida plena e saudável.
O toque, o calor, o olhar... carícias que alimentam o corpo de amor.
O sorriso envolvente que por si só já ilumina a atmosfera;
Tudo faz parte do Homem, um ser virgem construído na perfeição de Deus.


Será que nesse tempo moderno, que esse Homem com o poder do saber,
Permitirá que esse natural Humano exista na sua sábia existência de ser?
As relações cibernéticas ganham espaço...
O contato corpo a corpo passa a ser perigoso e o sexo mortal, primitivo.
... Tudo ganha o mundo artificial e tudo apaga o natural.
Tudo morre com a própria morte desse Homem.

O homem transforma-se em máquina.
Na busca da perfeição torna-se imperfeito – e Morre.
O Narcísico que um dia morreu ao mergulhar no rio; Hoje
esse Narcísico morre mergulhando na máquina futurista.
Morre Homem, morre vida, morre planeta.
Essa é a angústia que o próprio Homem cria para si,
Fugindo da morte – imortalidade – Que ironia! 

3 comentários:

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

Que bonito esse texto, mto profundo.
Realmente... o homem foge tanto da morte que acaba por encontrá-la nos mais diferentes aspectos...

Bia Franco disse...

Olá Amigo(a)

Já foi publicado no DRAMA NA WEB o capítulo VII do livro “É Preciso Ver os Anjos”

Não deixem de ler!

O brigada e um grande abraço a todos!
Bia Franco.

Brasil Desnudo disse...

Bom dia querida!
Andei sumido né, mas tô aki, pra te desejar um lindo dia com muita Paz e Amor em seu coração...
Sabendo que nunca, devemos buscar de forma tão narcísista, aquilo que possa negar nosso prórpio Ser, ignorando assim, fases da vida que se perdem dentro de nós mesmo..
Belo texto, e linda reflexão...
Meus parabéns Rejane..

Bjs

MARCIO RJ

Leia no arquivo.